RESENHA: O SAFADO DO 105 – MILA WANDER.

images.livrariasaraiva.com.br

 

  • Páginas: 512;
  • ISBN: 9788542205169;
  • Autor: Mila Wander.
  • Ano de Publicação: 2015;
  • Gênero: Ficção Brasileira; New Adult;
  • Idioma: Português.
  • Formato: Físico;
  • Classificação: 5 estrelas.
  • Editora: Essência/ Editora Planeta do Brasil.

 

SINOPSE:

A analista de sistemas Raissa Magalhães finalmente compra um imóvel e realiza o sonho de morar sozinha. Assim que ela se muda para a casa de número 104, descobre que seu novo vizinho, que ela apelida de Calvin, é um chef de cozinha alto, bonito, jovem e sarado. Com o tempo, ela descobre que dormir em seu novo quarto será uma missão impossível. Da casa 105, geminada com a sua, chegam, noite após noite, gemidos e gritos de prazer das mulheres que visitam seu vizinho. A vocação do rapaz para a safadeza não só impedirá Raissa de dormir profundamente, mas irá incitá-la e excitá-la de tal maneira que ela, também, começará a frequentar o 105. O desejo de Raissa se transformará em paixão. Só que a analista de sistemas sabe muito bem que se apaixonar por um homem com tamanho currículo sexual pode não ser a coisa mais sensata. Conseguirá Raissa mudar o jeito irresponsável e descompromissado de seu vizinho, fazendo-o se apaixonar por ela? Ou será que almejar um futuro amoroso ao lado de um safado convicto é pura ilusão? Descubra ao ler este romance de Mila Wander, o fenômeno brasileiro da plataforma digital Wattpad, com mais de 4 milhões de leituras, uma obra na qual erotismo e romantismo são dois bons vizinhos.

MINHAS CONSIDERAÇÕES:

8459f7f803c44f904b4f736cb5b27c08

Calvin seu lindo, vem cá pra minha vida ser o cara da casa ao lado ♥

Hoje eu vim aqui falar pra vocês de um dos poucos livros nacionais que se encaixa no gênero “New Adult”, que eu realmente amo e não revirei os olhos com desdém nenhuma vez. Sim, eu faço muito isso. Revirar os olhos, quando uma autora enche o livro com cenas super quentes e mais cenas super quentes e mais um pouco de cenas super quentes.

É desgastante sexo pra todo lado. E não que eu tenha alguma coisa a ver com isso, mas na minha humilde opinião as autoras nacionais se apegam muito nisso, se apegam detalhadamente nisso, minuciosamente. Não que algumas autoras gringas não façam isso, muitas fazem, mas tem uma variedade muito maior de livros gringos pra escolher e as autoras nacionais (não tô generalizando, pelo amor do senhor), pelo menos depois desse boom de Cinquenta Tons, elas escrevem muito parecido umas com as outras (também não tô falando que elas se copiam, por favor), mas o estilo é bem parecido (e não que as gringas não façam isso também, é que como eu disse a lista de autoras gringas e seus livros é bem mais extensa).

Só sei que a gente abre alguns livros e é aquela explosão de sexo na cara do leitor.

E eu amo ler livros nacionais, bons livros nacionais. Dá aquela sensação de familiaridade, como se eu não tivesse que ter um mapa do Central Park na cabeça ou saber em que dia exato cai a Ação de Graças todos os anos (por falar nisso, ele cai todo ano em um dia diferente?). É como se tudo fosse ali do lado, bem acessível pra tocar (figurativamente falando, não sou tão louca assim também).

Enfim, O Safado do 105, foi o primeiro livro que eu acompanhei pelo Wattpad (que eu acho uma das melhores invenções de todos os tempos, sério), e talvez tenha sido a emoção de esperar cada capítulo que fez com que eu me apaixonasse cada vez mais pela história, era meio que uma sensação de que a história estava acontecendo a cada dia, não como um livro com um final já pronto que era aquilo lá e acabou. A perspectiva de que tudo pudesse acontecer e mudar a qualquer momento era a melhor parte.

(Sério, Mila Wander, você mudou a visão que eu tinha de literatura nacional para sempre, você é a culpada. Agora vem cá, me abraça e vamos ser amigas ♥)

Mas, os dias se passaram e surgiu a in-CRÍ-vel notícia de que o livro físico seria publicado e meu coraçãozinho machucado quase saltou do peito de emoção. Então comprei o livro que não li, porque apesar de conhecer o final eu tinha que ter pra poder abraçar e chamar de meu (a louca), mas eu não li ele novamente até uns dias atrás.

A história é a seguinte, Raissa consegue uma casa para chamar de sua. É sua liberdade começando, ao se distanciar dos pais, ter uma vida mais independente de toda sua família. Mas a casa número 104 traz mais do que um começo para sua nova vida, traz o vizinho do 105.

Moreno, alto, bonito e sensual. Não, essa não é uma estrofe da música do Lala, é a descrição de seu mais novo vizinho, Calvin. Que aliás, não se chama Calvin. Raissa não tem ideia de como ele se chama e ele não faz questão nenhuma de enviar-lhe uma luz sobre isso, então, no dia em que eles se encontram pela primeira vez, essa é a marca da cueca que ele está usando, assim é como passamos a conhece-lo: Calvin Klein.

Calvin, é bonito, sedutor, cuida do jardim, cozinha e lê Clarice Lispector, hábito que ele herdou da mãe. Mas ele aparentemente também é emocionalmente retardado (pode não parecer, mas eu gosto bastante de falar isso, não sei se vocês já notaram). Ele sai com várias mulheres e é um pouco imaturo. E o fato do quarto de Raissa dividir parede com o quarto de Calvin, não ajuda muito. Toda ‘atividade’ do rapaz é ouvida em alto e bom som do quarto dela.

Como era de se esperar os dois se envolvem, mas Calvin não é adepto a compromisso (emocionalmente retardado a-ha), e apresenta muitos sentimentos e ações confusas, enviando assim sinais mistos a Raissa. Eles não conseguem ser somente vizinhos, não conseguem ser apenas amigos e Raissa não tem estruturas emocionais para ter apenas sexo com ele. E às vezes só o amor também não é suficiente.

“Dizem que o amor é cego, porém naquele caso ele me abriu os olhos. Fez-me compreender que amar não é tudo. Há muito mais além do amor para unir duas pessoas.”

E eu não tenho estruturas emocionais para lidar com o fato de que meu nome não é Raissa e que o Calvin não existe. Sério gente, desculpa contar isso par vocês, mas ele não existe, é triste, porém, é a dura e sofrida realidade.

Além de apresentar muitas outras questões, como família, amigos, perda, lidar com a perda, seguir em frente e até ouso dizer, autoestima. Dá pra rir, se apaixonar, se identificar, se emocionar, sonhar, enfim… dá pra crescer um pouco mais com a história.

Eu acho que não consigo dizer muito mais sem soltar alguns spoilers e não gosto de spoilers, mas a história é tão boa, e prende tanto, que o nome do rapaz que é o mistério do livro, acaba não sendo tão relevante até o momento em que ele conta pra ela. Eu mesma tive minhas dúvidas ao reler o livro, sem toda aquela expectativa de esperar cada capítulo, se seria tão bom e ia me prender tanto, mas me surpreendi tudo de novo. Aliás, ele sempre vai ser Calvin pra mim.

O que eu amei no livro foi que ele não foi aquela coisa louca de CEO’s, motoqueiros, badboys fodões, riquinhos mimados e etc, não que esses livros não sejam bons (Mr. Grey, me liga, sério. Travis, você também lindo, deixa eu ser sua beija-flor kkk), mas de vez em quando é bom ler uns livros com personagens normais e mais atingíveis. Esse é o tipo de história que poderia acontecer com qualquer um, aquela história que poderia acontecer com sua amiga ou mesmo com você, com complicações e tudo.

Sem contar que o livro tá cheio de citações da super inteligente (e que quando eu crescer quero ser ela), Clarice Lispector. Frases que eu já amava e outras que eu passei a amar.

“E uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de…Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve morrer. Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para a frente.”

Então, dona Mila Wander, é muito bom, e um alívio saber que o futuro da literatura nacional está em tão boas mãos como a sua (e de muitas outras, claro, mas agora tô aqui tietando só ela). Parabéns, de coração. Eu sei que é difícil ser escritor no Brasil, mas desejo que você não pare nunca. Você tem tanto talento e escreve de uma maneira tão especial, foge do comum. Eu já li outras coisas suas e leria muitas outras. Ah, e se por um acaso você estiver escrevendo umas coisas novas e estiver precisando de alguém pra ler, pode mandar aqui pra casa kkk Sério, muitíssima sorte.

E vocês pessoas lindas comprem O Safado do 105 e leiam, porque vale super a pena 😉

Oi gente, tudo bem com vocês? É. A onça não me encontrou, e nem eu a ela. Fiquei meio distante esses dias porque minha internet pensa que pode ser diva, então eu tenho que viver pela vontade dela. E também não tenho lido muito, porque não acho nada que me atraia, e porque tô com um pouco de preguiça também. Enfim, pessoas é isso. Beijo pra vocês.

Cuidem-se ❤

Anúncios

4 comentários sobre “RESENHA: O SAFADO DO 105 – MILA WANDER.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s